boo-box

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

QUANTAS CALORIAS SÃO GASTAS EM UMA AULA DE NATAÇÃO?


Muitos professores de natação já devem ter ouvido na beira da piscina essa pergunta: “Professor (a) quantas calorias eu perco em uma aula?” 
Nesse texto, vamos tentar esclarecer algumas dúvidas referentes à demanda energética em uma aula de natação.


A natação é considerada uma atividade física aeróbica, ou seja, necessita da utilização do oxigênio para a produção de energia, para os praticantes de natação não competitiva isso deve ser levado em conta, por isso seria interessante que o exercício fosse conduzido de forma moderada com variações leves de intensidade respeitando o objetivo proposto do treino.
 
Muitas variáveis devem ser consideradas para se ter uma idéia do gasto energético de um nadador, eis alguns exemplos:
 
- O estilo nadado, alguns estilos da natação são mais desgastantes que outros, para praticantes de natação não competitiva, 100 metros nadando Borboleta são muito mais desgastantes que 100 metros nadando o estilo Crawl; 
 
- A diferença entre homens e mulheres, 
“As mulheres são 30% mais econômicas quanto ao dispêndio energético nas atividades de natação do que os homens devido à maior quantidade de gordura, que facilita a flutuabilidade do corpo na posição horizontal” (Holmer,1979; citado por Guedes,1995). Isso possibilita um melhor deslize por conseqüência menos esforço para nadar;
 
- A condição do praticante quanto à sua qualidade ou habilidade de nadar, um bom nadador necessita de menos energia para mover-se na água, portanto ele deve nadar uma distância maior para que tenha o mesmo gasto energético de um nadador iniciante;
 
- Duração e intensidade da atividade, treinos fortes consomem mais energia, mas o treino em uma intensidade mais forte certamente será mais curto do que um treino em uma intensidade mais leve/moderada.
 
Como em qualquer atividade física, o gasto calórico também vai depender do metabolismo de cada pessoa, há muita discrepância entre os pesquisadores sobre o número aproximado de calorias gastas em uma aula “normal” de aproximadamente 50 minutos, alguns autores citam entre 400 e 600 kcal, alguns colocam de 700 kcal até 800 kcal.
 
Segue uma tabela para o cálculo “APROXIMADO” da sua atividade aquática:
 
Estilo livre, rápido e esforço vigoroso
9.9 x Peso do praticante(kg) x Tempo da atividade em min. /60min.
 
Estilo Livre ,lento e esforço moderado
8 x Peso do praticante(kg) x Tempo da atividade em min. /60min.
 
Costas Geral
8 x Peso do praticante(kg) x Tempo da atividade em min. /60min. 
 
Peito Geral
9.9 x Peso do praticante(kg) x Tempo da atividade em min. /60min.
 
Golfinho (Borboleta)
11 x Peso do praticante(kg) x Tempo da atividade em min. /60min. 
 
Crawl rápido (~70m/ min)
11 x Peso do praticante(kg) x Tempo da atividade em min. /60min. 
 
Crawl lento (~50m/min)
8 x Peso do praticante(kg) x Tempo da atividade em min. /60min. 
 
Natação lazer
6 x Peso do praticante(kg) x Tempo da atividade em min. /60min.
 
Tabela: www.cdof.com.br

Ex. Uma pessoa de 70 kg que nade Crawl em uma intensidade lenta por 50 minutos terá um gasto aproximado de 466 kcal. (8 x 70kg x 50min / 60min) = 466,66 kcal.
 
Quanto à ingestão de calorias antes do treino, o melhor a fazer é procurar um nutricionista, este profissional lhe indicará a melhor dieta para o seu perfil.
Vale lembrar que em um aspecto todos os autores concordam, nadar consome muitas calorias, portanto o mais importante é cair na água e aproveitar.
Bons Treinos!

Federação Internacional de Natação divulga índices para Jogos Olímpicos

Marcas para 2016 correspondem ao 16º lugar das Olimpíadas de Londres 2012


A Federação Internacional de Natação (Fina) divulgou nesta sexta-feira a tabela de índices para os Jogos Olímpicos de 2016.
 Os tempos do índice A em cada uma das 26 provas individuais são correspondentes ao 16º lugar nas Olimpíadas de Londres 2012. 
Já os chamados "índices B" são marcas 3,5% mais fáceis de serem conquistadas. 
Cesar Cielo, natação entrevista EE (Foto: Lydia Gismondi)Cesar Cielo é dono de três medalhas olímpicas e um dos favoritos para os Jogos de 2016 (Foto: Lydia Gismondi)

Segundo a entidade, os índices podem ser obtidos entre 1º de março de 2015 e 3 de julho de 2016. 
Mesmo sendo sede dos Jogos, os atletas brasileiros precisarão atingir o índice mínimo para participar das Olimpíadas. 
A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) ainda não indicou oficialmente quais competições valerão como seletiva para as Olimpíadas, mas a tendência é que o Troféu Maria Lenk de 2016 seja o torneio derradeiro. 
A prova dos 50m livre masculino é a mais forte do país atualmente. 
Se os tempos de 2014 valessem para a classificação de 2016, sete atletas teriam feito marcas abaixo de 22s27. 
Cesar Cielo (21s39), 
Bruno Fratus (21s41),
 Nicholas Santos (22s15), 
Matheus Santana (22s16), 
Walter Lessa (22s17), 
Marcelo Chierighini (22s21) 
 Ítalo Duarte (22s25). 
Existe um limite de dois atletas por país com índice A em cada prova, e cada nação pode levar até 52 competidores no total, 26 no masculino e 26 no feminino. 
Quando o país só tem atletas com índice B, o limite por prova é de apenas um nadador.  
Os revezamentos serão definidos em duas etapas: os 12 primeiros colocados no Mundial de Kazan, que será realizado entre julho e agosto deste ano, e os quatro melhores do ranking mundial que fechará em maio de 2016. 
Cada país define sua estratégia para a escolha dos nadadores. 
Os Estados Unidos, por exemplo, fazem uma única competição, o US Trials, e os classificados são os dois primeiros colocados de cada prova, independente de outros competidores terem marcas melhores obtidas em eventos anteriores. 
Tabela índices olímpicos da natação (Foto: Editoria de arte)

O Verão está intenso? Caia na água!!!

O verão não tem dado trégua e tudo é válido na hora de tentar se refrescar. 

Ventiladores e ar condicionados estão sempre ligados no máximo e as piscinas se transformam nas queridinhas da estação.

Atividade queima 540 calorias em uma hora e movimenta todos os grupos musculares do corpo humano - Foto: Divulgação
Atividade queima 540 calorias em uma hora e movimenta todos os grupos musculares do corpo humano – Foto: Divulgação
Quem opta pela natação mescla alívio do calor e bem-estar em uma das atividades físicas mais completas. 
Faz bem para saúde e para a mente. 
As pessoas procuram a natação tanto como forma de lazer quanto para cuidar da saúde e aliviar problemas como, por exemplo, de coluna.
Na lista também estão alívio para problemas respiratórios, melhora de coordenação motora e, claro, perda de peso aliado a dieta equilibrada. Uma hora de atividades a piscina chegam a queimar 540 calorias.
Corpo
O esporte é considerado completo porque é capaz de movimentar todos os músculos do corpo e trabalhar de forma anaeróbica e aeróbica. 
O problema é quando as altas temperaturas dão lugar ao inverno que por aqui, sabemos bem, é intenso.
 No verão as turmas estão sempre cheias, já começamos o ano completas. 
Mas quando o frio chega o movimento diminui um pouco porque as crianças, principalmente, param de comparecer às aulas e esperam os termômetros colaborarem.
É importante, porém, manter a frequência de treinos. 
Para ser um bom nadador só é preciso praticar. 
Todos possuem potencial, homens e mulheres, adultos e crianças.
Idade aconselhável
Se apenas a prática é pré-requisito de um bom nadador, todos são nadadores em potencial. 
Isso faz do esporte uma grande oportunidade para pessoas que, muitas vezes, não possuem mais a flexibilidade nos movimentos.
Desde que seja bem acompanhado e supervisionado, um idoso pode e deve fazer natação. 
Não existe uma faixa-etária ideal. 
Nem condição física ideal, por sua capacidade de adaptação e flexibilidade atende a um público variado, de gestantes, pneumopatas, cardíacos ... Desde de bebes aos idosos...
Basta começar para apaixonar se também por Esse Esporte!!

Austin 2015 ou Arena Pro Swim Series

 Durante os dias 15 e 17 de janeiro acontece em Austin, no estado do Texas, a segunda etapa do Arena Pro Swim Series, que até o ano passado ostentava o nome de Grand Prix Series. 
A competição, disputada em formato de circuito, é o grande destaque deste primeiro semestre aquático nos Estados Unidos. 
Em novembro, ainda como o antigo nome, aconteceu a primeira etapa em Minneapolis e este ano além de Austin, acontecerão outras quatro etapas: Orlando, Mesa, Charlotte e Santa Clara. Assim como nos anos anteriores os melhores atletas do circuito receberão premiação em dinheiro e um carro, cortesia da BMW, patrocinadora do evento.
Boa parte das estrelas da natação americana estão confirmadas para a disputa em Austin. Katie Ledecky, Ryan Lochte, Natalie Coughlin, Nathan Adrian, Tyler Clary, Elizabeth Beisel, Matt Grevers e Anthony Ervin são alguns desses nomes. 
O Pro Swim Series terá destaques internacionais. O maior deles é Katinka Hozssu, eleita pela Fina a melhor nadadora do mundo em 2014. Entra ano e sai ano, e a húngara continua com seu extenso programa de provas. Em Austin esta inscrita para nadar 13 provas. 
Destaque também para a volta de Kirsty Coventry as piscinas após uma aposentadoria de quase três anos. A nadadora do Zimbábue, dona de sete medalhas olímpicas, esta treinando para disputar os Jogos Olímpicos do Rio em 2016.
Fratus comemora sua vitória nos 50m livre - Foto: Satiro Sodré
Em Austin, Fratus encara os 50m e 100m livre – Foto: Satiro Sodré
O Brasil também marcará presença na primeira etapa do Pro Swim Series com seis nadadores: Bruno Fratus, Marcelo Chierighini, Gabriel Fidélis, Filipe Medeiros, Thiago Parravicini e Caroline Tavares. A grande esperança de medalhas está na dupla de Auburn. Fratus e Chierighini disputam as mesmas provas (50m e 100m livre) e querem começar muito bem o ano pré-olímpico que promete ser bastante puxado para ambos que lutam por vaga na seleção que irá ao Mundial de Kazan-2015.
O evento não terá transmissão ela TV, mas pode ser acompanhado através do site da USA Swimming. Destacamos cinco provas: 100m borboleta masculino (dia 15 com o duelo entre Tom Shields e Lochte), 400m medley feminino (dia 16 com Ledecky se aventurando na prova e duelando com Katinka), 50m livre masculino (dia 16 com Fratus, Adrian, Ervin, Chierighini e Cullen Jones), 100m costas feminino (dia 17 com o embate entre Katinka e Natalie Coughlin), 800m livre feminino (dia 17 mais um show de Ledecky?). 
Até o momento os líderes do circuito são Tyler Clary e Elizabeth Beisel. Confira o start list da competição clicando aqui.
De olho no Rio-2016, Coventry irá treinar nos Estados Unidos - Foto: Satiro Sodré
Kirsty Coventry retorna as piscinas em Austin – Foto: Satiro Sodré
Provas dos brasileiros em Austin
Bruno Fratus: 50m e 100m livre
Marcelo Chierighini: 50m e 100m livre
Gabriel Fidélis: 100m e 200m peito
Filipe Medeiros: 200m peito
Thiago Parravicini: 100m e 200m peito
Caroline Tavares: 100m e 200m costas e 100m livre

Maria Emma Hulga Lenk Zigler, você quem é?

Há exatos 100 anos nascia na cidade de São Paulo, Maria Emma Hulga Lenk Zigler, ou simplesmente Maria Lenk. 
A pioneira da natação nacional, que faleceu aos 92 anos em 2007, tem uma bela história no esporte nacional e deixou importantes legados para a modalidade.
Maria Lenk começou a dar suas braçadas aos dez anos de idade no tradicional Clube de Regatas do Tietê. 
Na época não havia piscina no clube e as aulas eram feitas no próprio Rio Tietê, outrora límpido e cristalino. 
O principal motivo para Maria começar a nadar foi uma pneumonia que ela havia contraído na infância. 
Começou e não parou mais. Nadou até o último dia de sua vida.
Maria Lenk em 2007 - Foto: Satiro Sodré
Maria Lenk em 2007 – Foto: Satiro Sodré
Em 1932, ela se tornou a primeira nadadora sul-americana a disputar uma Olimpíada: em Los Angeles. 
E também esteve nos Jogos Olímpicos de Berlim em 1936, quando chegou até as semifinais dos 200m peito revolucionando o mundo ao nadar a distância no estilo borboleta. 
O grande ápice de sua carreira aconteceu em 1939, quando bateu os recordes mundiais dos 200m e 400m peito. 
Maria Lenk era a melhor nadadora do mundo nestas distâncias e era a favorita para ganhar a medalha de ouro na próxima Olimpíada, mas quis o destino que isso jamais acontecesse.
Devido a II Guerra Mundial (1939-1945) as edições olímpicas de 1940 e 1944 jamais aconteceram. Em 1940 Maria Lenk estava no auge da forma física e técnica. Se aqueles Jogos Olímpicos, planejados para acontecer inicialmente em Tóquio, ocorressem poderíamos ver a história coroar Maria Lenk como a primeira mulher brasileira a ganhar uma medalha olímpica.
Maria Lenk durante sua juventude - Foto: Reprodução
Maria Lenk durante sua juventude – Foto: Reprodução
Maria nunca deixou o esporte e a natação de lado. 
Após parar de nadar competitivamente ela foi importante na implementação do curso de educação física no Brasil e da criação da Escola Nacional de Educação Física. 
Continuou nadando como master, ajudando a implementar esta categoria no Brasil. Em 1988 foi a primeira atleta do Brasil a entrar para o Hall da Fama da Natação e como nadadora master bateu recordes mundiais e conquistou diversos títulos.
Faleceu no dia 16 de abril de 2007, vítima de uma parada cardiorrespiratória logo após se sentir mal durante um treino na piscina do Flamengo, no Rio de Janeiro. Infelizmente não viveu para ver o belo complexo aquático erguido para os Jogos Pan-Americanos daquele ano que leva seu nome, assim como o principal campeonato nacional em uma homenagem póstuma.
Maria Lenk foi a pioneira do nado borboleta - Foto: Reprodução
Maria Lenk foi a pioneira do nado borboleta – Foto: Reprodução
Até hoje, Maria Lenk tem admiração e respeito de toda a comunidade aquática, inclusive por aqueles que não a conheceram pessoalmente ou nem a viram dar suas braçadas em alguma piscina deste mundo. 
Quando se fala em natação aqui no Brasil, seu nome logo vem a mente graças a sua carreira exemplar e pioneira dentro da piscina e aos legados deixados para futuras gerações. 
Tudo isso faz de Maria Lenk uma personagem de suma importância para o esporte olímpico brasileiro. 
Uma mulher forte que não deixou de nadar até o último dia de sua vida.

Ele matou aula de natação no banheiro. Hoje é o juvenil mais veloz do país

César Cielo, Bruno Fratus, Marcelo Chierighini, Matheus Santana. Velocistas de qualidade não faltam para o Brasil brilhar na natação ao longo do próximos anos.
 E na esteira deles, um garoto de apenas 16 anos já começa a chamar a atenção e ser tratado como a nova joia brasileira para as provas de curta distância.

Ele atende pelo nome de Felipe Ribeiro e já detém uma marca de respeito. Foi o primeiro nadador juvenil na história do país a nadar os 100m livre abaixo dos 50 segundos. No Campeonato Brasileiro Juvenil, em novembro, completou a distância em 49s93, algo que nem Cielo nem Santana haviam conseguido com a mesma idade.
"Eu treinei o ano todo só para baixar estes 50 segundos, fiquei muito feliz. Aí eu penso, se eles (Cielo e Matheus) estão em lugar muito bom agora, posso estar em lugar melhor ainda no futuro", disse Felipe .
Mas se hoje Felipe é o atleta mais rápido de sua idade, e a natação é tida como sua profissão, o esporte nem sempre lhe agradou. 
Quando tinha apenas quatro anos de idade e foi colocado pelo seus pais em uma escolinha, o garoto sempre tentava achar uma maneira para matar as aulas. 
Não queria de nenhuma maneira ir para a piscina.
"Comecei a fazer natação quando tinha 4 anos. Eu sofria com bronquite e o médico recomendou o esporte. Meus pais me matricularam em uma academia em Santos, mas eu sempre tentava matar aula, me escondia no banheiro masculino e minha mãe não podia entrar. Aí o professor sempre tinha de ir lá me tirar. Eu ficava morrendo de rir e minha mãe brigava comigo. Só fui pegar o gosto pela natação quando tinha seis ou sete anos. Foi quando disputei minha primeira competição e dei muita distância no segundo colocado. Aí comecei a gostar e não quis largar mais", contou o nadador, que mede 1,84m e pesa 71 quilos.
Talentoso desde pequeno, Felipe ganhou uma bolsa de estudos integral do Colégio Unisanta para representar a escola nas principais competições estaduais e nacionais. 
Foi lá que conheceu Matheus Santana, que é dois anos mais velho. 
Rapidamente criaram um forte laço de amizade, reforçado ainda mais pelo fato de Matheus ser namorado de sua irmã.
"Meus ídolos são o Michael Phelps e o Matheus. Nós treinamos juntos, somos muito amigos e estamos sempre zoando. Ele me ajuda bastante. Daqui a pouco começarei a nadar mais contra ele e vai ter uma rivalidade, mas só dentro d'água", disse Felipe que ao fazer 49s93 superou os 50s25, que Matheus havia feito em 2012.
A expressiva marca lhe valeu o índice para o Mundial Júnior de 2015, que será disputado entre os dias 1º e 6 de setembro de Cingapura.
 Mas este não é o único objetivo do jovem para o próximo ano. Ele disputará entres os adultos o Troféu Maria Lenk (entre 6 e 11 de abril) e espera assegurar índice para os Jogos Pan-Americanos de Toronto, que serão realizados entre os dias 10 e 26 de julho.
Divulgação/Unisanta
Felipe Ribeiro tem apenas 16 anos e defende a Unisanta, de Santos

Nos 100m livre, a marca mínima estabelecida pela CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos) é de 50s05. Já nos 200m livre, prova que também é sua especialidade, o índice é de 1min51s49. No último Brasileiro Juvenil, ele ficou com a medalha de ouro com 1min51s20.
"No ano que vem já nadarei com os adultos. Pelos meus tempos, consigo fazer final A no Maria Lenk. Apesar de ter feito este tempo nos 100m, todos dizem que minha melhor prova são os 200m. Eu acho que o Brasil tem uma carência nela e posso até estar na equipe do revezamento em 2016. Mas seria muito legal se eu já conseguisse disputar o Pan", afirmou Felipe, que defendeu a seleção brasileira em todas as categorias de base, desde a época de infantil.
Por conta do desempenho que teve no Campeonato Brasileiro Juvenil, Felipe foi convidado pela FINA (Federação Internacional de Natação) para acompanhar o Mundial de Piscina Curta de Doha (QAT), realizado no início de dezembro. Ele participou de várias clínicas e acompanhou toda a competição.
"Eu treinava o dia todo e depois ia ver a competição. Fiquei bem perto de campeões que só via pela TV, foi uma experiência muito legal", concluiu. sentiu energia bem positiva, da minha experiência.

Fenômeno australiano supera vício em sonífero e usa natação como terapia

Um ícone da natação mundial está de volta às piscinas. 
Seis anos depois de se aposentar e oito meses após deixar uma clínica de reabilitação, o fenômeno australiano Grant Hackett decidiu cair na água novamente. 
Aos 34 anos, ele diz não focar grandes resultados, mas quer aproveitar a nova fase da vida para reviver bons momentos e fugir do vício que quase o derrubou.

Hackett ficou viciado em Stilnox, um sonífero recomendado para diferentes níveis de insônia. Separado da mulher e com dois filhos para criar, viu o medicamento se tornar uma ameaça. Por isso, no início deste ano, ele pediu ajuda e se internou em uma clínica nos Estados Unidos. 
Ficou quase dois meses lá e saiu cheio de vontade de nadar novamente.

"O que aprendi nesse tempo foi incrível, fiquei em condição de fazer tudo muito melhor. Estava numa situação em que não podia enfrentar a vida da forma correta, por isso precisei pedir ajuda. E me sinto orgulhoso de ter encontrado coragem e força. Quero ser um grande pai e fazer tudo da melhor maneira", disse ele ao deixar a clínica.

E foi a natação quem o manteve nessa nova linha. 
Hackett conta que não se sentia tão bem desde 2004, ano em que ganhou sua terceira medalha de ouro nas Olimpíadas. 
Ele foi campeão olímpico dos 1.500 metros em 2000 e 2004, e ainda faturou o revezamento 4x200 metros livre em Sydney-2000.

É justamente no revezamento que ele está se dedicando atualmente. Sua meta é fazer parte da equipe de seu clube no Campeonato Australiano de 2015. 

Mas se ele surpreender e chegar novamente à seleção, já avisou: "nunca diria nunca para essa oportunidade".

Hackett, no entanto, não quer se precipitar. 
Citando o difícil retorno de Ian Thorpe às piscinas, o maior fundista de todos os tempos ainda testa seus novos limites e evita criar muita expectativa, algo que já sobra entre os australianos a menos de dois anos das Olimpíadas do Rio.
 "Voltei a sentir paixão pela natação, mas por enquanto só quero ajudar meu clube".